Buscar

A ideia Juche encarna e desenvolve os princípios do socialismo científico




Artigo do Centro de Estudos da Ideia Juche - Brasil enviado ao seminário “A veracidade e a vitalidade da Ideia Juche" organizado pelo Instituto Internacional da Ideia Juche para celebrar o 110º do nascimento do Presidente Kim Il Sung. Compartilhamos com os nossos leitores a versão integral do artigo.



A ideia Juche criada pelo camarada Kim Il Sung encarna e desenvolve os princípios do socialismo científico




O socialismo, desde que se converteu em uma ciência, deve ser estudado e tratado como tal. Esta é uma verdade demonstrada pela experiencia e pela trajetória do desenvolvimento do movimento operário e revolucionário internacional. Na história, foi Karl Marx o responsável por transformar o socialismo em uma ciência e de criar uma teoria revolucionária, que não somente explicava o sistema capitalista, mas também lançava um chamado a todos os trabalhadores e revolucionários para que se lançassem a luta pela transformação revolucionária da sociedade. Ao criar o materialismo histórico e dialético, Marx explicou pela primeira vez de forma cientifica quais eram as contradições intrínsecas do modo de produção capitalista e como este devia dar espaço necessariamente a um novo e superior modo de produção: o socialismo.


Depois, herdando e desenvolvendo os princípios estabelecidos pelo marxismo, V. I. Lenin fundou o Partido Bolchevique, estudou profundamente a transformação do capitalismo em imperialismo e dirigiu a primeira revolução proletária da história, estabelecendo o primeiro país socialista. Assim, o marxismo-leninismo deu um impulso decisivo para a luta das massas populares, iluminando o caminho de milhões de explorados em todo o mundo. As luzes irradiadas pela Revolução de Outubro estimularam o poderoso movimento anticolonial que se estendeu as colônias e semicolônias, golpeando decisivamente o sistema colonial do imperialismo.

Influenciado pela Revolução de Outubro, o proletariado dos países asiáticos criou pela primeira vez organizações revolucionarias marxistas.


Na China, em 1921, foi fundado o Partido Comunista da China. Na Coreia, em 1925, fundou-se o Partido Comunista da Coreia. No caso da Coreia, o primeiro partido comunista logo seria destruído, graças, não apenas a repressão que sofreu por parte do imperialismo japonês, mas também as contradições internas do próprio partido. As forças fracionistas, fazendo uma interpretação dogmática do marxismo, passaram a levar a cabo disputas completamente alheias aos interesses das massas trabalhadoras do país, o que trouxe um enorme dano ao desenvolvimento da luta revolucionária. Isso deu a classe operaria coreana e as forças revolucionarias do país a missão de implementar uma teoria revolucionária e um partido que encarnasse de forma integral os princípios desta teoria revolucionária.


Em 1926, o camarada Kim Il Sung fundou a União para Derrotar o imperialismo, formulando pela primeira vez na história da Coreia um verdadeiro programa marxista-leninista. Disse o camarada Kim Il Sung: “O objetivo da UDI é lutar para construir o socialismo e o comunismo na Coreia no futuro, e no presente, derrotar o imperialismo japonês e ganhar a liberdade e a independência da Coreia”.


Kim Il Sung, ao iniciar o seu caminho de exploração da via que devia seguir a revolução coreana, estudou com afinco as obras clássicas do marxismo-leninismo e reforçou sua compreensão e confiança nos princípios do socialismo e do comunismo. Ao mesmo tempo, Kim Il Sung se deu conta de que o velho caminho baseado na cópia mecânica das experiencias estrangeiras estava condenado ao fracasso, recorrendo assim ao caminho da revolução independente, assentando as bases da ideia Juche.


Em 1930, durante a Conferência de Kalun, o camarada Kim Il Sung pronunciou o histórico discurso O caminho a seguir pela revolução coreana, que ficaria marcado na história da revolução coreana e da revolução mundial como o momento do surgimento da Ideia Juche. Na conferência celebrada em Kalun, Kim Il Sung definiu de forma cientifica o caráter da revolução coreana como revolução democrática anti-imperialista e antifeudal, aclarando quais são as forças motrizes e o objeto da revolução. Sendo a revolução coreana uma revolução democrática, anti-imperialista e antifeudal, era necessário que os comunistas coreanos formassem uma frente única de todas as forças verdadeiramente democráticas, progressistas, anti-imperialistas, compostas pelo proletariado como centro, o campesinato, a pequena burguesia e a burguesia nacional de consciência anti-imperialista. Esta revolução deve atacar ao imperialismo japonês e seus lacaios: latifundiários, capitalistas compradores, elementos pró-japoneses e outros traidores da pátria. Também durante a conferência de Kalun, o camarada Kim Il Sung desmascarou e analisou a atuação e a atividade dos grupos fracionistas, que pretendiam conquistar a “hegemonia” apoiando-se em debates e atividades contraproducentes, enquanto buscavam o reconhecimento a todo custo da Internacional Comunista.


Kim Il Sung explicou que o movimento comunista coreano deveria preparar, em primeiro lugar, a base organizacional do partido revolucionário e não criar artificialmente um “comitê central” carente de toda legitimidade e conexão com as massas populares. O reconhecimento internacional do partido revolucionário viria como consequência do correto trabalho realizado entre as massas e o impulso do movimento revolucionário. Kim Il Sung desmascarou a atividade dos grupos “esquerdistas” que impulsionavam levantes aventureiros, que no final só produziam resultados desastrosos para o movimento revolucionário, assim como a dos grupos oportunistas de direita, que se opunham a realização da luta armada antijaponesa.


Ao explicar corretamente quais eram as tarefas que devia cumprir a revolução coreana, o camarada Kim Il Sung traçou o caminho correto que deveria seguir o proletariado coreano em sua luta revolucionária. Foi precisamente graças a esta linha que o povo coreano pôde finalmente conquistar sua independência nacional, expulsar o imperialismo japonês, fundar a República Popular Democrática da Coreia e passar a construção do socialismo. Apesar das enormes dificuldades e contratempos que a revolução coreana enfrentou, dirigidos pelo camarada Kim Il Sung, as massas populares coreanas lograram superar cada uma dessas dificuldades. Neste sentido, é correto dizer que a Ideia Juche reflete corretamente as aspirações das massas populares em sua luta pela independência. Ao estudar e integrar os princípios básicos do marxismo-leninismo a realidade coreana, Kim Il Sung também pôde analisar e compreender as limitações históricas de dita doutrina, formulando novas concepções e teorias que compõem o patrimônio histórico do socialismo científico.


A ideia Juche é uma nova e revolucionária ideia centrada no homem. Delineia corretamente que o homem, em sua relação com o mundo, ocupa uma posição de dono. O homem não é apenas um ser material, mas é o ser material mais desenvolvido, sendo um tipo especial da evolução do mundo material, dotado de independência, espírito criador e consciência. Cada um destes atributos é produto do desenvolvimento do homem como ser social e todos eles são de extrema importância para a explicação do porquê o homem ocupa em sua relação com o mundo uma posição de dono. A Ideia Juche também esclareceu corretamente o papel que desempenham as massas populares como sujeito da história social, determinando que a sociedade avança e progride segundo a ação e o papel consciente que desempenha este sujeito, ou seja, as massas populares. A luta das massas populares é também a história do desenvolvimento da humanidade. As massas somente podem avançar e progredir através da luta contra todo o tipo de obstáculos impostos pelos sistemas que afogam sua independência.


O capitalismo é o último sistema baseado no antagonismo de classes, dessa forma, é uma exigência e um requisito que, para realizar sua independência, as massas populares derrubem o sistema capitalista e tomem o controle dos meios de produção. Esta é, sem dúvida, uma posição que somente poderia ter surgido sobre as bases da compreensão dialética e materialista da realidade, no entanto, não é correto considerá-la como uma mera extensão ou aplicação da compreensão materialista e dialética da natureza, o que justifica considerar a Ideia Juche como uma filosofia nova e original. Por tanto, podemos afirmar que o camarada Kim Il Sung, ao longo de sua longa trajetória revolucionária, além de ter se formado no marxismo-leninismo, não se limitou a aplicá-lo, adotando em relação a ele uma firme posição jucheana, abrindo novos campos da teoria revolucionária, desenvolvendo novas ideias e pensamentos filosóficos.


O socialismo científico é uma ciência que está em constante processo de desenvolvimento. Para refletir corretamente as exigências da época, é inevitável que o proletariado dos distintos países, atuando nas mais diferentes condições e circunstâncias históricas, tenha uma atitude criativa com a dita doutrina. Se os comunistas aplicarem dogmaticamente o marxismo-leninismo, sem integrá-lo criativamente na realidade de seu próprio país, nenhuma revolução teria triunfado. O camarada Kim Jong Il em sua obra clássica Sobre a Ideia Juche: “A independência e o espírito criativo são os requisitos essenciais do movimento revolucionário e comunista”. O camarada Kim Il Sung, mantendo o espírito independente e criativo, foi capaz de fazer enormes contribuições que servem de guia, não somente ao povo coreano, mas a todos os povos progressistas e revolucionários do mundo.


No ano em que os povos progressistas do mundo celebram os 110 anos de nascimento do grande Lider camarada Kim Il Sung, é de fundamental importância que todos estudemos a experiencia histórica da revolução coreana nas mais diversas etapas de seu desenvolvimento. A experiencia da luta do povo coreano deve servir-nos de guia para tirar conclusões e lições que nos ajudem a desenvolver a luta revolucionária em nossos próprios países. Somente através de uma correta interpretação do socialismo científico, e da correta integração de seus princípios à realidade concreta dos países nos quais atuamos, poderemos lograr vitorias na luta contra o imperialismo, pela construção de um mundo verdadeiramente independente e livre do hegemonismo imperialista, onde as massas populares sejam de fato donas da sociedade. Somente assim poderemos contribuir verdadeiramente com as lutas revolucionarias pelo socialismo no século XXI, pondo fim de uma vez por todas ao sistema imperialista.


Na atualidade, o Partido do Trabalho da Coreia, dirigido pelo camarada Kim Jong Um, segue defendendo firmemente a bandeira vermelha do socialismo, mantendo-se como a vanguarda da luta anti-imperialista a nível internacional. O PTC, partido revolucionário de tipo jucheísta, tomando como ideologia o Kimilsungismo-Kimjongilismo, segue defendendo de forma brilhante a independência do povo coreano e construindo um país prospero, poderoso e autossuficiente, capaz de enfrentar todo o tipo de manobras e provocações lançadas pelos países imperialistas e seus lacaios. Isso é uma prova da correção e validade da teoria política traçada pelo PTC. Em um momento em que o mundo inteiro há comprovado as debilidades do sistema capitalista, posta a prova pela pandemia iniciada em 2020, se demonstra uma vez mais a superioridade do sistema socialista da República Popular Democrática da Coreia, um sistema completamente centrado nas massas populares, onde elas disfrutam dos mais amplos benefícios sociais e ocupam firmemente a posição de donas de seu próprio destino. Este é um feito concreto que nunca poderá ser ocultado pelos inimigos do socialismo. Temos plena confiança em que, dirigidos pelo camarada Kim Jong Un e pelo PTC, o povo coreano seguirá obtendo inúmeras vitorias na construção do socialismo, superando todas as dificuldades temporárias e apontando sua contribuição à causa internacional da luta pela independência das massas populares.


CENTRO DE ESTUDOS DA IDEIA JUCHE - BRASIL