top of page
Buscar

A Toxicidade da "Teoria da Cooperação de Classes" Burguesa


Opor-se e rejeitar a infiltração ideológica e cultural do imperialismo é essencial para defender e manter nosso estilo de socialismo e construir com sucesso uma nação forte.


Hoje, os imperialistas estão persistentemente espalhando a "teoria da cooperação de classes" para obstruir a luta das massas trabalhadoras contra a exploração e a opressão.


O grande líder Camarada Kim Jong Il afirmou:


"A classe exploradora e seus lacaios inventaram a 'teoria da cooperação de classes' para frustrar a luta das massas trabalhadoras exploradas contra a exploração e a opressão. Reformistas e revisionistas no movimento comunista defenderam a 'cooperação de classes', causando danos significativos ao movimento revolucionário." (Obras Completas de Kim Jong Il, Edição Ampliada, Vol. 18, p. 71)


A "teoria da cooperação de classes" burguesa foi proposta por representantes ideológicos da classe exploradora e por reformistas e revisionistas que buscavam uma "transição pacífica" durante as décadas de 1830 e 1840, quando as contradições e conflitos dentro da sociedade capitalista estavam se intensificando.


A "teoria da cooperação de classes" burguesa é uma teoria reacionária que nega o antagonismo e a luta de classes entre a classe trabalhadora e a classe capitalista, defendendo a conciliação, o compromisso e a coexistência pacífica entre socialismo e capitalismo, pregando, assim, a permanência do capitalismo.


A toxicidade da "teoria da cooperação de classes" burguesa reside, antes de tudo, em tornar as massas trabalhadoras ideologicamente incapacitadas, paralisadas em sua consciência revolucionária e de classe.


A "teoria da cooperação de classes" cria uma ilusão de que a natureza exploradora da classe capitalista mudou, impedindo as massas trabalhadoras de desenvolverem uma consciência de classe clara e de lutarem contra a exploração e a opressão da classe capitalista.


As pessoas devem possuir consciência de classe para lutar contra a exploração e a opressão e para realizar sua independência sociopolítica. As massas trabalhadoras que não estão armadas com consciência de classe não podem embarcar no caminho da luta revolucionária para melhorar sua condição social e traçar seu próprio destino, permanecendo incapazes de escapar de seu destino como escravas.


No entanto, a "teoria da cooperação de classes" burguesa visa obscurecer a natureza exploradora da classe capitalista e negar o antagonismo de classes, tornando, assim, as massas trabalhadoras ideologicamente incapacitadas, paralisadas em sua consciência de classe e subservientes ao capital, transformando-as em aleijadas ideológicas.


A "teoria da cooperação de classes" afirma que a natureza exploradora da classe capitalista na sociedade capitalista mudou e que as contradições entre trabalho e capital estão gradualmente diminuindo com o desenvolvimento das forças produtivas, afirmando que a classe trabalhadora e a classe capitalista não devem confrontar-se, mas sim "cooperar" e viver harmonicamente.


Os defensores da "teoria da cooperação de classes" negam a relação antagônica entre exploradores e as massas trabalhadoras na sociedade capitalista, argumentando pela criação de uma relação social "harmoniosa" e "igualitária", embelezando assim as relações de classe exploradoras e paralisando a consciência de classe e o espírito combativo das massas trabalhadoras, tornando-as politicamente incapacitadas.


A toxicidade da "teoria da cooperação de classes" burguesa também reside em impedir as massas trabalhadoras de lutar contra o sistema capitalista, obstruindo, assim, a transição revolucionária do capitalismo para o socialismo.


Os defensores da "teoria da cooperação de classes" pregam que as massas trabalhadoras podem realizar suas demandas através da "boa vontade" ou "cooperação" da classe capitalista, impedindo assim as lutas revolucionárias contra o sistema capitalista.


A "teoria da cooperação de classes" vê a "luta parlamentar" como a única forma de luta, rejeitando a revolução socialista violenta. Consequentemente, eles se opõem à luta de classes pela libertação das massas trabalhadoras e apenas defendem "movimentos de direitos humanos" e "movimentos pela paz" dentro dos limites permitidos pela lei burguesa.


Os defensores da "teoria da cooperação de classes" difamam a luta revolucionária do povo para se libertar da exploração e dominação capitalista como "distúrbios" que fomentam a "desordem" social e o antagonismo de classes, promovendo apenas movimentos sociais de compromisso de classe.


Hoje, os defensores da "teoria da cooperação de classes" burguesa pregam o abandono do movimento socialista baseado no marxismo em favor de movimentos de reforma social em linha com o ambiente alterado da sociedade moderna. Isso tem o objetivo insidioso de impedir o despertar revolucionário das massas trabalhadoras, impedindo-as de se levantarem contra o capitalismo e erradicando qualquer forma de luta.


As alegações dos defensores da "teoria da cooperação de classes" burguesa, que negam o desenvolvimento legal da história social, são visões idealistas subjetivas e sermões de compromisso de classe que defendem e sustentam a sociedade de classe exploradora capitalista.


As atividades anárquicas e espontâneas que supostamente garantem a realização da democracia e do socialismo por si mesmas, defendidas pelos defensores da "teoria da cooperação de classes", são esquemas contrarrevolucionários para fragmentar e erradicar o crescimento das forças revolucionárias.


O movimento operário e a revolução socialista só podem avançar no caminho da vitória quando as principais forças revolucionárias estão firmemente estabelecidas, e as amplas massas trabalhadoras estão conscientizadas e organizadas sob a liderança do Partido e do líder. O sucesso da revolução depende de como as forças revolucionárias são fortalecidas e seu papel elevado.


Isso é uma verdade confirmada pela história e um requisito legal para o desenvolvimento do movimento revolucionário.


Na severa situação de hoje, onde a escolha é entre socialismo e capitalismo, a vitória só pode ser garantida ao sustentar com firmeza a ideologia revolucionária da ideia Juche e da ideia Songun, que iluminam claramente o caminho correto para realizar a independência das massas trabalhadoras.


Devemos defender firmemente e glorificar ainda mais nosso socialismo centrado nas pessoas, o ideal e a bandeira da vitória para a humanidade, acreditando firmemente na inevitabilidade da vitória do socialismo e esmagando resolutamente a "teoria da cooperação de classes" burguesa.


Artigo publicado originalmente na revista Political Law Studies da República Popular Democrática da Coreia em 19/11/2015

Коментарі


bottom of page